quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Uma dieta necessária

“Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta”. (Hebreus 12.1 – NVI)

Muitas vezes li este texto, e achava que sempre havia compreendido o que me dizia. E qual era o meu entendimento? Bom, sempre entendi que Deus tem um caminho proposto por onde eu devo trilhar – o caminho da justificação por graça por meio da fé, e da santificação pelo Espírito Santo por meio de uma rendição e submissão total à Sua vontade – e para tal devo abandonar o pecado por meio do arrependimento sincero e da confissão ao Senhor, entregando à Ele minha vida em total dependência.

Penso estar certo em meu entendimento, afinal a Palavra me diz clara e exatamente isto que descrevi acima. A questão é que, por mais que esteja correto este entendimento, não é apenas isto a que o autor de Hebreus se refere no texto bíblico. Existe uma conjunção aditiva antes da palavra “pecado”, nos mostrando que algo além do pecado também deve ser abandonado. Está muito claro no texto: “... livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado...”

Sabemos que devemos abandonar o pecado, mas, o que seria este “tudo” além do pecado? Devemos também abandonar coisas boas em nossa vida, mesmo não sendo pecado, com o risco de, se não o fizer, isto vir a nos atrapalhar na “corrida”? Exatamente!

Existem muitas coisas em nossa vida que mesmo não sendo pecado em si, nos atrapalham, nos embaraçam, e não permitem que tenhamos todo “coração, alma, entendimento e força” para amar o Senhor.

Voltando à figura do atleta que o autor de Hebreus usa, ele compara nossa jornada cristã neste mundo como um corrida. Sabemos até por experiência própria, que um atleta precisa estar bem preparado para concluir uma corrida, precisa estar em forma. Qualquer “pesinho” extra pode perfeitamente ser permitido numa competição esportiva, porém nunca é conveniente. Assim do mesmo modo, além do pecado, você poderia pensar em deixar de lado aquelas coisas que, embora lícitas, você sabe que o têm atrapalhado em sua caminhada com Deus.

“Senhor, que nada me atrapalhe no cumprimento de tua vontade. Amém!”

Que Papai abençoe a todos com um novo ano cheio da sua graça e do seu amor!
Missionário Adilson

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

O que eu quero de mim em 2010

Em 2010, vou romper com a síndrome do divã. Vou me aconselhar como quem deseja ouvir e crescer.

Parece que temos carência de falar. Dizer já não é tão importante. Ouvir, muito menos. Obedecer, bem, de que baú, tiraram esse verbo?

Nesse sentido, embora algo de consolador e terapêutico permaneça nesses monólogos disfarçados de aconselhamento, percebo que muitos elementos cristãos estão desaparecendo. Por exemplo, a autoridade. Nessas conversas, não se busca, de fato, a sabedoria ou a experiência do conselheiro. Claro que desejamos um interlocutor preparado. Mas o que queremos é uma vaga em sua agenda. Em especial, em seus ouvidos. Quanto mais tempo, melhor.

Desaparece, também, a submissão. Submeter-se a um amigo, um irmão? Que também tem seus problemas? Ouvi dizer que é melhor procurar alguém que não nos conheça bem — traz menos problemas.

Desaparece a autoridade e o poder coercitivo das escrituras. Liquefazem-se princípios, verdades, certezas, tradições e outros fatores de segurança que o texto bíblico traz. Abrir a Bíblia, em um aconselhamento, hoje em dia, já não é tão fácil. Além de interromper o fluxo do raciocínio daquele que está ali para falar, pode trazer constrangimento. Falta disposição para ouvir conselhos. Ou para versos bíblicos, com aplicações “discutíveis”. Se insistir, o conselheiro perde muitos pontos.

Sim, pastores, mentores e conselheiros têm sido reduzidos a ouvintes privilegiados. E serão tão menos procurados quanto menos disponíveis estiverem para uma audição “gentil”.

Este ano, desejo mudar. Falarei menos e aprenderei mais. Ouvirei conselhos e procurarei acatá-los. Investirei em docilidade. Até no caso de meu conselheiro me reprovar ou me apontar caminhos difíceis. Serei submisso; serei grato; buscarei a obediência inteligente. Aceitarei autoridade sobre mim e a honrarei; orarei por ela. Serei, novamente, “admoestável”.

Quem sabe, a partir desse exercício, em oração, a Bíblia, que há tanto tempo me tem falado palavras bonitas, volte a me dizer o que preciso ouvir. E ouvindo o que preciso ouvir (e não apenas o que eu mesmo falo), eu me cure desta traiçoeira falta de apetite espiritual. Amém.

Adaptado do texto: "Obrigado por me ouvir", de Rubem amorese

Que Papai abençoe a todos
Missionários Adilson

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

LI E RECOMENDO! - Livro: Avivamento e Renovação

Livro: Avivamento e Renovação
Autor: Russel Shedd
Shedd Publicações
129 páginas

Sinopse:
A frieza e a acomodação são inimigas declaradas de um relacionamento vital com Deus. A frase de Jesus acerca da igreja de Laodicéia, " você não é frio nem quente", caracteriza inúmeras igrejas locais e denominações espalhadas pelo país. Por isso, o propósito deste livro, além de descrever o que Deus fez ao longo dos anos, é criar descontentamento com o estado de corações cristãos mornos e de igrejas sem compromisso com sua missão. Ou seja, é um apelo para a busca de um avivamento real e transformador.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

A Turma do Charlie Brown (Snoopy) explica o Natal

Este desenho é da década de 70, tempo em que ainda incrivelmente poderia se ver algo como tal: num desenho animado falar-se do verdadeiro sentido do Natal, "Cristo, nosso Senhor".
Fico pensando... nos dias de hoje... porque cada vez mais até os próprios "cristãos" tem desaprendido o que é o verdadeiro sentido do Natal? Alguma coisa se perdeu no caminho!!! Seria o próprio Jesus?!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

A todos um feliz natal!

Que não se empanturrem de comida,
Que não se enganem com a vaidade da vida,
Olhando pras vitrines suntuosas, coloridas.
Que não se esqueçam que os dias são maus, e dura a lida.

Desejo, sinceramente, que não se engasguem com o peru;
Que não se esqueçam de que “Quem tem pressa come cru”;
De que a vida passa, o tempo voa, bem como a poupança Bamerindus.
Que a fartura da mesa não lhe engane. Você é cego, pobre e nu.

Que os sinos do trenó do papai Noel
Não lhe façam esquecer de Cristo Jesus, Deus conosco, Emanuel.
Lembremos no presente que nosso futuro é o céu.
Pilhas de presentes, línguas diferentes, Torre de babel!

Que a paz, a fraternidade e a alegria, não durem um dia só,
Que nosso amor dure mais que o efeito do vinho ou do pó.
Que as nossas casas enfeitadas abriguem os que estão sós.
E que saibamos que o bebê cresceu, viveu, morreu e ressuscitou por nós.

A todos, do fundo do coração, um feliz natal!
Que saibam viver neste mundo, livres do mal.
Que sejam mais preocupados em ter caráter do que em ser legal.
Que o nascimento de Jesus, mais do que pretexto ou mito, lhes seja real.

por Mário Machado

Fonte: www.irmaos.com

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

LI E RECOMENDO! - Livro: Imitação de Cristo

Livro: A Imitação de Cristo
Autor: Tomás de Kempis
Editora Martin Claret
175 páginas

Descrição: Este livro enfatiza a vida espiritual, afirma a comunhão como prática para fortalecer a fé e encoraja uma vida pautada no exemplo de Cristo. Seus textos são provavelmente a melhor representação da devotio moderna - movimento religioso criado por Gerhard Groote, que tornou a religião inteligível e aceitável, mesmo para a mentalidade "moderna" que surgiu na Europa no final do século XIV.

Link para o texto completo do livro na net: http://www.culturabrasil.pro.br/imitacao.htm

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

AS RAPOSINHAS

“Apanhai-me as raposas, as raposinhas, que devastam os vinhedos, porque as nossas vinhas estão em flor” (Cantares 2.15)

ALEGORIA: “Raposinhas”- Nome dado a certas plantas que nascem junto da videira, que tem o aspecto semelhante a ela, mas que são altamente danosas e até mortais a plantação de uvas, impedem o crescimento sadio da videira, levando-a à esterilidade. Por serem parecidas com a parreira são difíceis de identificar, sendo preciso a ajuda de um viticultor experiente. Se não forem arrancadas infestam toda a plantação, sufocando a videira acabando com ela!

Imaginando que a videira seja a nossa vida, o que representam estas “raposinhas” que devastam as vinhas em flor?

Elas são a imagem dos “pequenos” pecados que corroem a vida cristã, centenas de “coisinhas” que perturbam e destroem a nossa comunhão com Deus.

Por que se vêem tantos cristãos fraquejando em sua caminhada de fé? Porque nem todos julgam esses “pecadinhos” ofensivos e nocivos a fé e à comunhão com Deus. Pequenas “mentirinhas”, maledicências (fofocas), murmuração, orgulho, ociosidade, indiferença, expressões de mau humor e muitas outras reações que, ao se repetirem, tiram a sensibilidade da consciência.

Consideramo-los pequenos, mas por causa da frequência com que são repetidos e do número de pecados que nos assolam, devastam nossas vidas: “Não sabeis que um pouco de fermento leveda a massa toda?” (1 Coríntios 5.6). Não devemos ficar nos desculpando alegando que todos fazem o mesmo. Exatamente nos detalhes da vida cotidiana o cristão tem a oportunidade de agir de forma diferente que “todo o mundo”.

Na verdade, todas essas pequenas negligências a que nos permitimos farão com que “o ramo” não tenha fruto (João 15.1-2). A vinha estava em flor, prometia muito, e agora está devastada. Não há fruto!

Nossa comunhão com Deus está conturbada. A leitura da Palavra não tem mais o mesmo sabor que em outro tempo. Não achamos mais na oração a feliz liberdade que tínhamos conhecido. As reuniões cristãs, que eram para nós como oásis refrescantes, não nos reconfortam mais. Se sinais como estes estão aparecendo, devemos prestar atenção: Já é hora de arrancar as raposinhas!

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

CONTRADIÇÕES

“Tornai-vos, pois, praticantes da Palavra, e não somente ouvintes” (Tiago 1.22)

A proclamação pública de nossa fé determina também a conduta que devemos manter diante de todos aqueles que nos ouvem ou nos conhecem. Se houver alguma desarmonia entre as palavras que proferimos em nossa declaração de fé e as nossas atitudes, estaremos desonrando o nosso Senhor.

Se afirmamos que Deus é Todo-Poderoso, que é um Pai cheio de amor, que nunca falta com seus cuidados para qualquer um de seus filhos... e se nos vêem inquietos, perturbados e agitados; isso é uma contradição.

Se declaramos que o cristão não pertence a este mundo, que é um peregrino nesta terra, pois, a sua pátria está nos céus... e nos agarramos aos nossos bens terrenos, às nossas comodidades e ao nosso bem-estar; é uma contradição.

Dizer que estamos esperando o Senhor, que pode voltar a qualquer momento para buscar os seus... e viver fazendo inúmeros projetos de vida sem levá-Lo em consideração; é uma contradição.

Dar graças à Deus pela comida que ele nos concede à mesa e logo depois reclamar daquilo que foi servido; é uma contradição.

Falar da felicidade dos cristãos... e não sermos gratos e contentes com as bênçãos que o Senhor tem derramado sem medida. Ver ao redor de nós inúmeras pessoas que não conhecem à Cristo... e não lhes mostrar o Evangelho da Salvação; é uma contradição.

E esta lista, para nossa vergonha, poderia ser ampliada. Não basta reconhecer estas inconseqüências. Devemos agir para preveni-las.

Por isso, aqueles que realmente querem levar um vida séria e comprometida com o Senhor: Vamos nos despertar! Vamos testemunhar a nossa fé sem vacilar. Não podemos e nem devemos ter vergonha do Evangelho . Não vamos esquecer que a promessa da felicidade está ligada, não ao fato de termos conhecimento da Palavra, mas sim em praticá-la: “Ora, se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes” (João 13.17)

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

LI E RECOMENDO!

Livro: Limites - Quando dizer SIM - Quando dizer NÃO - Assumindo o controle de sua vida.
Autores: Henry Cloud e John Townsend
Editora Vida
335 páginas

Descrição:
- Por que muitas vezes perdemos o controle de nossas vidas?
- O que fazer quando as pessoas se aproveitam de nós?
- Por que em algumas ocasiões temos dificuldades para dizer não?
- Como impor limites?
Estabelecer limites bem definidos é essencial para uma vida cristã saudável e equilibrada. Limite é uma linha divisória pessoal que determina as coisas pelas quais somos responsáveis. Em outras palavras, os limites definem quem somos e causam impacto em todas as áreas de nossa vida:
- Os limites físicos nos ajudam a determinar quem, e sob quais circunstâncias, pode nos tocar.
- Os limites mentais nos dão a liberdade de ter nossos próprios pensamentos e opiniões.
- Os limites emocionais nos ajudam a lidar com os sentimentos e a nos libertar das emoções prejudiciais a outras pessoas.
- Os limites espirituais nos ajudam a distinguir a vontade de Deus da nossa e a renovar o compromisso com o Criador.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Lágrimas Benditas - Mateus 5.4

Existem muitos tipos de choro, correspondentes às emoções que lhes dão origem. Há o choro do ódio, do inconformismo, do luto, do susto, da birra e tantos outros. Mas há um choro para o qual o consolo é promessa de Deus. Como aprender a chorar esse choro?

Nossa “consciência de consumidor”, em sintonia com o mercado, não sabe chorar esse choro; sabe exigir qualidade, sabe acionar o Procon. Nossos corações urbanos e “midiáticos”, bombardeados diariamente por doses maciças de violência, já não choram diante da tragédia. Nossas almas cidadãs, conduzidas à pusilanimidade por “pais” que nos provocam à ira com suas deslavadas mentiras eleitoreiras e terminam por matar nossos idosos nas filas do INSS, vertem lágrimas amargas e revoltadas. Nossos filhos, quando contrariados, choram como pivetes e sonham sair de casa.

Em todos esses casos, porém, as lágrimas benditas não são vertidas. E o consolo não lhes é garantido. Nem esperado.

Certamente, olhando para o contexto das bem-aventuranças, percebemos que este choro estará nos olhos e no coração do pobre de espírito; aquele que se vê fraco, incompetente, impotente, vulnerável e carente de Deus. Sim, ao mesmo tempo em que estende a mão para suplicar misericórdia, chora, tomado pela emoção do quebrantamento.

Quem há de herdar e povoar o reino dos céus? Certamente, por todo esse contexto, é aquele que não tem, pois há de receber; aquele que depende, pois há de ser ajudado; aquele que é fraco, porque o poder de Deus se aperfeiçoa na fraqueza; os destituídos, pois a eles reserva-se graça; e os humildes e humilhados, de todo gênero, pois hão de ser exaltados.

Ora, se estiver correta essa interpretação, então podemos dizer que o choro bem-aventurado surge da aguda constatação da nossa fragilidade pessoal, da vulnerabilidade da nossa vida, da feiúra de nossas máscaras, da indecência da nossa vaidade e do ridículo das nossas “competências”, temporais e espirituais.

Quando digo “aguda constatação”, refiro-me a uma insuportável intensidade dessa percepção. Certamente, só tornada possível pela revelação do Espírito. Normalmente, encontrada em momentos verdadeiros de oração. O véu se retira de nossos olhos e somos “atropelados” pelo que o espelho nos mostra. O que nos resta fazer, diante dessa visão de nós mesmos, é chorar.

Sabe por que os bebês choram muito? Por que não têm recursos. Não sabem sair, por si mesmos, das situações de desconforto ou dor. São vulneráveis e dependentes. Quando crescemos, aprendemos a nos virar sozinhos. E não precisamos mais de ajuda; aprendemos a não nos colocar em situações desesperadoras. E passamos a ter vergonha de chorar, pois as lágrimas passam a denunciar nossa fraqueza. São constrangedora confissão de incompetência.

Mas quando o Espírito nos conduz à consciência da verdade sobre nós mesmos, rendemo-nos; vemos nossas forças reduzirem-se às de um bebê. E choramos. Lágrimas quentes, frágeis, dependentes, suplicantes, crédulas, esperançosas. Lágrimas que pedem misericórdia. Lágrimas libertadoras. Nesse momento sagrado, laços se rompem dentro de nós e percebemos que, por um instante, já não somos escravos das aparências, “auto-estimas” e vaidades que nos aprisionavam. Somos livres para derramar todo o nosso coração em rendição e súplica. Bem-aventurados os que choram assim, pois hão de ser consolados.

Você conhece um personagem bíblico que chorava muito? Lembro-me de um que, apesar de grandes defeitos pessoais, que o levaram a grandes pecados, tinha o coração afinado com o de Deus. Em que poderia consistir tal sintonia? Ao ponto de se dizer que era "um homem segundo o coração de Deus”? Acredito que o segredo de Davi era o dom da contrição. Ele oscilava entre o tomar as rédeas da vida nas mãos (com lamentáveis conseqüências) e entregá-las, inteiramente, a Deus, com grande choro. Veja como ele se confortava com a confiança de que Deus não o abandonaria: “Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito não o desprezarás, ó Deus” (Sl 51:17).

Acredito que o consolo prometido por Jesus se destina ao choro da contrição: lágrimas provenientes de nossa falência, que faz buscar misericórdia e perdão, como o ar para os pulmões.
Os que choram assim serão consolados. Porque quem vive de seus próprios recursos espirituais não precisa do vexame e da humilhação da contrição. Mas esse mesmo vive à mingua de Deus. Quem consegue se fazer sozinho não precisa de ajuda. Muito menos de consolo.

Ao homem autônomo, solitário, narcisista, melancólico e resolvido do Século XXI, a voz de Jesus convida assim: Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.

Fonte: www.amorese.com.br

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

LI E RECOMENDO!

Livro: Mudança para o futuro - Pia Desideria
Autor: Phillip Jcob Spener
Encontro Publicações
123 pgs

Descrição: Um dos princípios fundamentais da Reforma Protestante é que a igreja nunca pode deixar de ser uma igreja em reforma.
Ao publicar, em 1675, o agora clássico livro intitulado PIA DESIDERIA, Phillip Jacob Spener estava convocando à reforma a igreja "recém-reformada". Ele expressava, em palavras do autor, "o sincero desejo de uma reforma da igreja evangélica".

Minha opinião: Quando estava na faculdade de teologia, este foi um dos livros na área de teologia/espiritualidade/pietismo que mais me inspiraram. Por isso compartilho esta dica com vocês, crendo que também acrescentará muito à vida daquele que o quiser ler.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

O Que Está Faltando Para Um Feliz Natal?

O tempo de quatro semanas que antecedem o Natal é conhecido na tradição cristã como advento. Advento significa vinda, chegada. Está relacionado à chegada de Deus ao mundo. Tempo determinado para a preparação da festa do nascimento de Jesus. Por falar em festa, você já foi a uma festa de aniversário onde havia muita comida, muita alegria, muita celebração, diversos presentes, música, conversa animada? É provável que sim. E, você já foi a uma festa de aniversário desse tipo onde o aniversariante estava ausente? Pois o Natal, cada vez mais, está se tornando isso: uma festa de aniversário sem o aniversariante.

Na minha história pessoal, o advento nunca significou alguma coisa. Não que o advento não signifique nada. Mas, para mim nunca significou! O comum, no mundo, é ver as pessoas agitadas em torno das arrumações de fim de ano, das festas, das compras, das ceias especiais, dos presentes, das férias, das viagens, etc... E, como eu venho de uma família que social e economicamente estava excluída desse advento de consumo e, que também não compreendia tão bem assim as questões mais religiosas do ano litúrgico, o advento e a chegada do natal eram esperança do tipo: 'este final de ano será diferente', ou, talvez apareça alguma visita inesperada ou um presente improvável... Pouco sabíamos sobre o real significado que, pelo menos no discurso, muitos cristãos ainda procuram preservar.

Apesar de tantos adventos, natais e finais de ano frustrantes, fui aprendendo que a frustração é fruto de expectativas equivocadas. Hoje, a vida sem símbolos natalinos, sem árvores de natal e luzinhas pendurados por tudo não fazem qualquer diferença. Compreendi que a grande maioria das coisas que cercam essa data não passa de ilusão para mascarar a tristeza de corações vazios. É a festa dos que celebram sem a presença da razão principal. Daqueles que celebram, comem regaladamente, soltam fogos, se abraçam... para logo depois acordar com dor de cabeça e iniciarem um novo ciclo. Continua o sentimento do 'parece que falta alguma coisa!'

O advento é espera que possui traços de comportamento próprios de uma vigília. Tempo de expectativa das comunidades cristãs (venha o teu reino) relacionada à nova vinda de Cristo, à chegada do "novo Céu e a nova terra". Não existe mais o 'menino' Jesus. Ele já nasceu! E, agora, quando Ele vier será em glória para instaurar definitivamente o reino de Deus em toda a sua plenitude! A vida cristã não se resume a ciclos. Ela é progressiva. Por isso, não aguardamos mais o Jesus 'menino', mas, o Jesus Senhor e Salvador. Não o Jesus que vai nascer, mas o Jesus que volta para consolidar o reino. Então, se apesar de toda celebração, presentes, chocolate e decoração permanecer o sentimento de 'falta alguma coisa', reflita: não estaria faltando o principal!?

Fonte: http://rodomar.blogspot.com/2009/12/o-que-esta-faltando-para-um-feliz-natal.html

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

LI E RECOMENDO!

Livro: Em busca de sentido
Autor: Viktor E. Frankl
Editora Sinodal e Editora Vozes
136pgs

Descrição:Em Busca de Sentido é um livro de Viktor Frankl de 1946, Em Busca de Sentido (título original:Ein Psycholog erlebt das Konzentrationslager) retrata suas experiências como um detento de um campo de concentração e descreve seu método psicoterapêutico de como encontrar uma razão para viver. De acordo com Frankl, o livro tenta responder a pergunta "Como a vida cotidiana dentro de um campo de concentração se reflete na mente de um prisioneiro mediano?". A primeira sessão do livro constitui as experiências de Frankl nos campos de concentração, enquanto que a segunda metade é uma introdução à Logoterapia.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

LI E RECOMENDO!

Livro: Homens de Deus
Autor: Jorge Atiência
Editora ABU e Encontro Publicações
Pgs 96

Descrição: Este livro, com perguntas para o estudo em grupo, ajudará você a relacionar a experiência dos homens da Bíblia com sua própria vida. Elias, Ezequiel, Daniel, José e Estêvão eram homens abertos ao Espírito Santo. O autor nos mostra como, quando um homem ora e obedece, o Espírito Santo age com poder nas pessoas e transforma a história.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

sábado, 21 de novembro de 2009

Felicidade Já?

Todos nós temos direito à felicidade, certo?.

Pelo menos, é assim que se pensa, hoje em dia. Parece que o mundo todo busca "se dar" esse direito, e corre atrás dele. O menino na loja de brinquedos; seu pai na agência de automóveis, sua mãe na joalheria, o casal gay, diante do altar, todos parecem concordar que têm direito à felicidade - a seu modo.

Não sei se está correta essa busca, esse modo de pensar, por três motivos. Primeiro, porque não sei muito bem o que é essa felicidade que buscamos; segundo, porque não consigo descobrir de onde vem e quem nos deu esse "direito", e terceiro, porque tanto do ponto de vista antropológico quanto psicológico, ou mesmo teológico, não sei se nascemos para ser felizes.

Quanto ao primeiro motivo, me parece que a felicidade, diferentemente da alegria, é um estado de alma. Posso estar alegre e ser infeliz ou estar triste e ser feliz.

Pensadores modernos têm associado felicidade a saciedade. A infelicidade estaria ligada, então, a desejos não saciados. E como não podemos deixar de desejar, e também nunca seremos plenamente saciados, precisamos encontrar uma saída para o problema.

Encontramos nas Escrituras essa proposta de saciedade plena, quando a profecia nos fala, metaforicamente, que Deus nos enxugará dos olhos toda lágrima (Ap 7,17). Mas vemos tratar-se de uma promessa para o porvir. Os bem-aventurados também têm sua promessa - para depois do sofrimento. Mas a felicidade que queremos é para já. Posso ser feliz aqui e agora? E descobrimos que a felicidade, na forma de saciedade total, é impossível. Nem para o rico, nem para o santo.

Que nos sugerem os sábios? Que aprendamos a lidar com nossos desejos. Por exemplo, que aprendamos a não desejar o impossível; e, também, que a absoluta ausência de desejos nos faria não querer sair da cama pela manhã. Que coisa difícil!

O direito à felicidade me parece problemático, em segundo lugar, porque não sei de quem cobrá-lo. Mesmo que muitos o vejam como um subproduto do Código de Defesa do Consumidor, instituído por lei. De fato, não sei a quem acionar na justiça em caso de comprovada infelicidade pessoal, uma vez que não pedi para nascer. Serão os meus pais? Será Deus? Neste último caso, a que tribunal o levarei? E com que base "legal"?

E isso nos leva ao terceiro problema. Que a felicidade é o anseio de toda alma, não há dúvida. Mas onde está o direito? Existe em nosso "manual de operação" algum dispositivo que garanta que nascemos para a felicidade? Ao compulsar as Escrituras, descubro que ela fala pouco do assunto. Fala muito de alegria, mas não de felicidade. Um silêncio revelador. Mesmo os "felizes", controversa tradução para bem-aventurados, só serão saciados no porvir. Sua felicidade está fundada na esperança, na promessa. Mas se é promessa, não é para já.

Sim, agora dou-me conta de que Cristo não veio trazer felicidade. Pelo menos não essa felicidade a que todos pensam ter direito, sob pena de ação judicial. O que nos legou, como resultado da reconciliação com Deus foi sua paz. Uma paz que o mundo não pode dar - e também não pode tirar. Consistentemente, Paulo nos diz que o resultado da justificação, mediante a fé, é paz (Rm 5,1). A proposta de felicidade para nós se realiza na paz com Deus, que se desdobra em derrubadas de paredes interiores e de muros de separação e inimizades: reconciliação. Sim, Deus estava, em Cristo, reconciliando consigo mesmo o mundo (2Co 2,19). Ao recebê-lo, sou reconciliado com os propósitos divinos para minha identidade, meu significado de vida. Reconciliado em minhas relações com a natureza, com meus irmãos, comigo mesmo e com Deus, passo a experimentar uma "paz que excede todo entendimento" (Fp 4,7).

Paz. Esta é a proposta de felicidade que Deus apresenta ao mundo. Paz por meio de Cristo.

Fonte: www.amorese.com.br

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

terça-feira, 10 de novembro de 2009

A quem devemos seguir? - IMPERDÍVEL!!!

video

LI E RECOMENDO!

Livro: Práticas Devocionais - Exercícios de Sobrevivência e Plenitude Espiritual
Autor: Elben M. Lenz César
Editora Ultimato
128pgs.

Descrição:
Avivamento sem práticas devocionais não existe. Torna-se evento e não movimento. Não tem como sustentar-se, passado o impacto inicial. Se a partir do avivamento, a igreja se entregar às práticas da Leitura da Bíblia, da Oração, do Desabafo, da Confissão, da Restauração, da Humildade, da Introspecção, da Vigilância, do Discernimento, do Equilíbrio, da Espera, da Descomplexação, da Confiança, da Ousadia, da Resistência, do Poder, da Vontade, da Alegria, então a vida abundante de que falou Jesus será uma deliciosa e continuada realidade. As Práticas Devocionais são exercícios de sobrevivência e de plenitude espiritual e levam o crente ao ponto máximo da comunhão, tornando-o amigo de Deus. Práticas Devocionais é mais que um livro. Tem sido utilizado em escolas dominicais, seminários, institutos bíblicos e retiros espirituais em todo o país.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

domingo, 8 de novembro de 2009

Vou Pescar - Quando o Guerreiro se Cansa

Disse-lhes Simão Pedro: Vou pescar. Jo 21, 3

Vou Pescar

Pescaria, normalmente, é sinônimo de lazer e diversão. Ou então, de uma profissão, das mais antigas. Por sinal, a profissão de Pedro e da maioria dos sete discípulos que lhe respondem:
"Também nós vamos contigo". Talvez por isso, passe-nos desapercebido o drama de alma com que esse homem diz, singelamente, "vou pescar".

Passados aqueles momentos terríveis da crucificação, os discípulos estão tontos, perdidos, confusos, órfãos. A cabeça ainda zumbindo de imagens e lembranças dos últimos acontecimentos, das correrias, dos apertos, dos guardas agarrando Jesus, do beijo de Judas, dos açoites...
Pedro ainda carrega as marcas da sua covardia, de haver negado o Mestre. — E se eu tivesse enfrentado os guardas; e se eu tivesse cortado a orelha? Deixei Maria sozinha ao pé da cruz... Se eu pudesse me explicar... Encontrei Jesus algumas vezes, mas não é mais a mesma coisa; agora ele parece tão diferente...

Assim, Pedro e seus amigos, sem perceber, voltam ao local onde o viram pela primeira vez, o mar de Tiberíades. Ali estavam as coisas que eles, um dia, haviam deixado para trás. Ali estava a "normalidade", o descanso, a realidade, o acordar de um longo sono — estaca zero.

"Vou pescar" pode ser a atitude de muitos guerreiros de primeira linha, que, por algum motivo, se ferem e se perdem na escaramuça da luta cristã. Mas o texto nos mostra que não pescaram nada naquela noite. Que maré! Nada dá certo! Uma boa pescaria, agora, seria tão bom para o ânimo, para o ego, para o recomeço. Mas nada!

Na verdade, não há como voltar às redes. Não somos mais os mesmos. Nossa história não nos permite voltar a ser simples pescadores: pobres, anônimos e... felizes! Frustrado com o insucesso, Pedro nem percebe aquele que chega na praia, para lhe confirmar os pensamentos: "Pedro, amas-me? Então essas redes não fazem mais parte do seu mundo. Ficaram para trás. Vem, pastoreia as minhas ovelhas".

Fonte: www.amorese.com.br

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

LI E RECOMENDO!

Depois de um tempo, volto a indicar algumas boas leituras que fiz e gostaria que vocês também tivessem acesso.

Livro: Em busca da felicidade
Autor: James Houston
Editora Abba Press
320pgs

Descrição: Esse é o terceiro livro da trilogia de James Houston sobre a “espiritualidade”. Em seu primeiro livro, “Orar Com Deus”, o Dr. Houston – teólogo, congressista e fundador do Regent College em Vancouver / Canadá – aborda a questão da intimidade com Deus e do quanto o Senhor está interessado em desenvolver uma profunda amizade (comunhão) com o ser humano, mais do que nas tarefas que esses servos possam vir a realizar. No segundo livro: “A Fome da Alma”, Houston nos fala sobre o íntimo do homem. Suas contradições interiores, seus desejos, as fantasias da mente humana e a ardente expectativa que toda a alma humana tem em relação ao conhecimento de Deus, à uma vida feliz e à morte. “Em Busca da Felicidade”, James Houston fala da sociedade em que vivemos. Como somos conduzidos pelo pós-modernismo e pelo hedonismo vigentes e levados a colocar valor exagerado no consumo – como demonstração de poder e realização – e na performance do sucesso. Nessa obra, Houston, coloca coração e mente para comunicar aos seus milhões de leitores em todo o mundo, que o amor de Deus e a presença de Cristo pode ser um realidade feliz em nossas vidas, no mundo presente e no futuro, e não apenas uma alegoria ou utopia.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

sábado, 31 de outubro de 2009

A (in)utilidade de ser cristão

Acordei. Depois do ritual da manhã (lavar o rosto, escovar os dentes, tomar café, ler a bíblia, fazer oração) sai de casa rumo ao trabalho.

Pelo caminho deparei, com o que classificamos a escoria da sociedade. Indigentes, moradores de rua, jogados na calçada, embriagando-se, sem nenhuma perspectiva de vida. Tive dó. Mas logo meu senso moral me fez chegar a seguinte conclusão: a culpa era deles. Bando de vadios, alcoólatras. E assim, prossegui em paz, agradecido a Deus por não ser como eles.

Hora do almoço. Arroz, feijão, carne, salada, refrigerante ou suco. Sobremesa. Senhor Jesus obrigado por essa refeição, foi a oração que acompanhou esse momento sagrado. Logo após encontrei-o: um homem com seus filhos e mulher desempregada, morando de aluguel e salário maravilhoso de R$350, 00. Suas refeições muitas vezes sem a saborosa mistura, as crianças sem o leite para o café da manhã. As crianças ajudando o pai catando papelão e latinha na rua, sem tempo de ir à Escola, praticar esportes, ler livros, ver desenho animado - se não trabalhar não come. Ao ouvir o relato fiquei espantado e indignado com o governo e a sociedade! Culpei-o por fazer tantos filhos, por ser inconseqüente, irresponsável e alienado. E fiquei satisfeito por saber que a vida não esta fácil pra ninguém. Antes de despedi-lo, lhe dei-lhe um folhetim de evangelismo com o endereço da igreja. Nesse, estava escrito que ele era um misero pecador e estava condenado ao inferno. Ficou feliz. Até que enfim encontrou razão para tanto sofrimento. Para o inferno que estava vivendo. A culpa era de Deus.

Ele se foi. E eu agradeci a Jesus por não ter vergonha de anunciar o evangelho. Afinal de contas, que ousadia a minha. Mais um folheto entregue!

Chegando em casa, tomei um belo banho. Entre varias peças de roupa, escolhi a mais nova. Diante a vários pares de sapato, achei um que combinasse com a roupa. Propus-me a jantar, e que jantar abençoado... Em seguida fui à igreja. Orei. Cantei louvores. Li as Sagradas Escrituras. Gritei aleluia, gloria a Deus. Que coração quebrantado. Escutei pacientemente um maravilhoso e longo sermão sobre as bênçãos de Deus por ser seu filho. Após o culto, o comentário habitual - fofoca gospel era sobre ela. 17 anos. Quando criança ate freqüentou a igreja. Agora esta grávida. O pai do bebe. Está preso. Traficante e bandido, tem 18 anos e ainda não tomou rumo. Eles mantêm relações sexuais na cadeia. Culpada é a mãe. Prostituta. Que exemplo deu a filha! E foi ela quem mandou namorar marginal!

Fui pra casa, assistir televisão. Corrupção, desigualdades sociais, mortes, estupros, tráfico, policia invadindo o morro, o morro invadindo a cidade, PCC, mensalão, máfia de sanguessugas. Era o relato do jornal de mais um dia nesse mundo que jaz no maligno. O capeta. A culpa e toda dele.

Antes de deitar, li a bíblia e fiz a oração da noite: “obrigado Jesus por me abençoar tanto, pela salvação. Ah! Quero te fazer um pedido. Preciso ganhar mais no meu emprego para obter mais conforto. Preciso prosperar, afinal sou dizimista fiel...” enquanto orava adormeci na minha confortável e segura casa, no meu colchão de R$900,00.

Fonte: Por Ricardo Perpétuo da Silva, no EvangeliCool

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

A dimensão moral da ansiedade

Há uma dimensão moral na ansiedade. Observe que Cristo apresenta como mandamento o chamado a não permitir que a ansiedade domine o coração dos seus discípulos: "... não andeis ansiosos pela vossa vida...". A conexão entre o verso 25 e os anteriores é muito clara. No verso 24, por exemplo, Cristo fala de um homem divido entre o amor a Deus e o amor às riquezas, mostrando a completa impossibilidade de uma pessoa servir a dois deuses ao mesmo tempo. Lá está aquela pessoa exprimida entre o desejo de servir a Deus e o desejo de servir ao dinheiro. Uma escolha que desagradará a um deles terá que ser feita, pois tanto o dinheiro quanto Deus fazem exigências diametralmente opostas à alma. Deus quer que o ser humano prospere, acima de tudo, no campo do ser. O dinheiro só reconhece a prosperidade do ter. No reino de Deus vale quem é. No reino do dinheiro vale quem tem. Deus manda dar dinheiro e dele debochar. O dinheiro exige acúmulo e respeito. Acontece que o dinheiro possui certas vantagens em relação a Deus. Tal como Deus o dinheiro apresenta atributos de divindade. Faz promessas que o Deus cristão faz ao homem. Poder, fama e segurança são algumas das promessas que ele faz aos que prostrados o adorarem. O que o torna mais atraente como fonte de segurança é o fato de ele parecer mais concreto. Você pode tocá-lo. Uma vez que você o tenha poderá acioná-lo a qualquer hora. A escolha por uma dedicação integral de vida a ele é inevitável para aquele que não confia o suficiente no caráter de Deus. Esse é o ponto: quando não se confia no caráter de Deus vive-se em função de um ídolo que ofereça proteção, o que conduz inevitavelmente à ansiedade. É por isso que pessoas passam por cima de tudo e de todos por causa de dinheiro, e quando se vêem no meio de uma crise econômica, enfartam.

Fonte: www.palavraplena.com.br

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

sábado, 24 de outubro de 2009

Ficar ou Ficar - Quando Ficar é o Oposto de Permanecer

Houve um tempo em que o verbo "ficar" significava o contrário de partir, assim como o adjetivo "maçante" significava entediante. Mas as coisas mudam, e os sentidos das palavras têm que se ajustar, para poder descrever as novas realidades. Surge, por exemplo, entre os jovens, o adjetivo-gíria "massa", que significa algo positivo, superlativo: muito bom. Daí, um filme "maçante" é um filme maravilhoso.

O verbo ficar significava permanecer, não partir. Mas as relações se transformam, se superficializam, se utilitarizam e se irresponsabilizam de tal forma que os jovens precisavam de um termo mais apropriado para o que antes se chamava de compromisso, de namoro, de noivado. Por ironia, o termo escolhido foi "ficar", que quer dizer "cair dentro, amassar e sair fora". Dispensam-se conversa, nomes, gostos, ideais, compartilhamentos, sonhos, projetos de vida, compromissos, família, personalidades e outras "caretices". Isso não tem nada a ver. A gente se encontra numa festa, "fica" e se manda. Parte pra outro (a).

Mas não nos iludamos. A prática de ficar não é um fenômeno exclusivamente jovem. É muito mais que isso: é um sintoma social. O jovem fica porque a sociedade onde ele vive cria o ambiente onde esse comportamento é normal. Nessa sociedade, o sócio fica na sociedade, o marido fica com a esposa, o fiel e o pastor ficam na igreja, o profissional fica no cargo, e assim por diante. Imagine os efeitos devastadores dessa volubilidade toda sobre uma alma solitária, que sonha com um lugar para habitar. Refiro-me ao conforto, ao colo de um ambiente social; ao aconchego de um grupo, com o qual compartilhar sua vida, seus valores, temores, aspirações e perspectivas. Tudo é terrivelmente eterno — enquanto dura!

Nossa sociedade desaprendeu a ficar. Está sempre partindo. Compulsivamente, como que empurrada par fora de relações estáveis e duradouras por uma força invisível e irresistível. Nossos corações não têm mais onde descansar; nossas mentes não têm mais lares, nossas consciências são nômades, avulsas, autônomas. Autonomia, aqui, assume a forma de algoz: quer dizer que somos nossa própria lei, nosso próprio padrão, nosso próprio juiz.

Precisamos encontrar o caminho de volta. Precisamos reaprender a ficar.

Fonte: www.amorese.com.br

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

EU GOSTARIA QUE VOCÊ ME AMASSE - Um e-mail à Igreja do Século XXI

Eu gostaria que você me amasse — mas você diz que já me ama...
Eu gostaria que você quisesse ficar, mas você tem tantos compromissos inadiáveis. Parece que está sempre saindo.
Eu gostaria que você fosse mais carinhosa quando estamos juntos, mas você prefere ser litúrgica — diz que é para não ser mal interpretada pelos outros.
Eu gostaria que tivesse prazer em nossas conversas, e não ficasse olhando o relógio, quando estamos juntos. Você sempre tem compromissos apertados com nossos encontros; tem que sair apressada; acorda tarde e almoça cedo, só no domingo.
Eu gostaria que a expectativa de nosso encontro especial do domingo gerasse tanta excitação que você fosse dormir mais cedo no sábado, só pensando em nosso encontro — e que as festas, bailes, filmes, tudo empalidecesse com a doce espera da nossa reunião.
Eu gostaria que você quisesse me levar junto, em suas viagens, em seus negócios, ao cinema, às rodinhas de amigos, ou que me convidasse para assistirmos juntos ao filme da madrugada, mas você diz que é coisa só sua, que minha presença seria inconveniente...
Eu gostaria que você gostasse dos meus filhos (afinal, agora são nossos filhos).
Eu gostaria que você sonhasse comigo, e, nos seus sonhos, eu estivesse olhando para você amorosamente.
Eu gostaria que você amasse as coisas, as conversas, os cheiros, as sensações que eu amo — todas simples, singelas, bonitas —, para que toda vez que você estivesse numa situação dessas, se lembrasse de mim, mas você prefere sensações mais fortes, picantes, sensuais...
Eu gostaria que você tivesse saudade de mim, dos meus lugares, dos meus altares, das minhas coisas, da minha gente — em especial no domingo — saudade essa que a levasse a ansiar por me ver.
Se você não pode me amar carinhosamente, porque "é feito só de razão", então, quem sabe, você me amasse só com a razão, sendo fiel nas pequenas coisas, que me tivesse presente nos caminhos, nas decisões, nas escolhas, nas palavras, nas reações.
Ah, como eu gostaria de sentir segurança no seu amor — eu sinto como se você fosse mudar a qualquer momento, e pedir um tempo para pensar...
Eu gostaria de poder sonhar com o futuro, tendo você nele, sem sobressaltos nem dúvidas, nem sombras.
Por exemplo:
Eu gostaria que você se indignasse por mim, ao presenciar algo que abomino; ao ver a injustiça, a mentira, a opressão, a pobreza, a vida desregrada, o alcoolismo, as drogas — uma indignação como a minha, que encarna, que parte para fazer algo a respeito, como a mulher que ungiu os pés do meu Filho, na frente de todos, com a coragem que vence reinos;
Eu gostaria que você se indignasse, quando alguém fala mal de mim — e saísse em minha defesa, usando do bom-senso que lhe dei, para não atirar pérolas a porcos;
Eu gostaria que você não achasse graça de piadas indecentes (que sempre banalizam as coisas boas e santas que criei, como o sexo, o casamento, a fidelidade...), não gostasse de falar palavrões, que não gostasse de filmes pornográficos, que não olhasse lascivamente para incrédulos, que não fizesse aliança com eles, não flertasse com o inimigo, que não invejasse sua vilolência e suas taras;
Quando você faz essas coisas, sinto enorme insegurança no seu amor; parece que você mantém um pé fora da nossa relação, e eu choro de ciúmes;
Eu gostaria que você amasse aqueles que amo e odiasse meus inimigos — que tivesse misericórdia das crianças (hoje em dia, quase todas órfãs), do estrangeiro (ou visitante), das viúvas (ou separadas) piedosas, das ovelhas avulsas, perdidas e sem pastor, e resistisse, em meu nome, aos cínicos, presunçosos e soberbos;
Eu gostaria de poder lhe falar do meu amor, sem que você olhasse para o relógio ou fosse "obrigada" a ir beber água lá fora;
Eu gostaria que você desligasse o celular quando eu estou lhe falando do meu amor ou fazendo planos com você;
Eu gostaria que você procurasse nos bolsos e encontrasse os presentes que lhe tenho dado — meus dons para você — e que os usasse com orgulho e carinho, como se fossem colares e pingentes de valor sentimental;
Eu gostaria que você me servisse sem precisar de cargos ou funções oficiais — simplesmente usasse, com singeleza, os presentes que pus nos bolsos de sua vida. Eu gostaria que você me servisse sem esperar outra recompensa senão meu olhar de aprovação.

***
Esses são os sonhos que tenho sonhado para nós. São sonhos porque não posso transformá-los em realidade por meio de imperativos ou mandamentos.Nem mesmo eu posso obrigá-la a querer. Tenho que esperar. O máximo que posso fazer é sair por aí, à sua procura, na esperança que você, um dia, queira ter um eterno caso de amor comigo.
Você ainda é tão menina! Não despertou, inteiramente, para o amor. Não tem olhos para mim. Ainda não pode entender nem corresponder ao meu amor. Só sabe me chamar de pai, pedir e agradecer coisas — a maioria das quais eu já lhe dei mais de uma vez, e estão empilhadas no seu quarto de brinquedos.
Fico triste em perceber que a insegurança do seu amor por mim transforma-se em insegurança sua, a respeito do meu amor; não sabendo amar, você não se deixa amar inteiramente por mim.
Mas eu tenho esperado por você. E quando estiver crescida, talvez venha a ter olhos para mim; e, então, quem sabe, queira e possa corresponder a essa forma louca, integral, passional, desmedida, com que você é amada.
Quando isto acontecer, você passará a ver a vida com olhos de uma adolescente apaixonada: sem temores, sem medos, sem inseguranças ou desânimos (porque o amor lança fora o medo). Ao contrário, você terá a energia da alegria, a força e o desassombro da certeza; e os sonhos da esperança — os sonhos dos meus sonhos. Você será indestrutível, e prevalecerá contra as portas do próprio inferno.
E quando a dor e a adversidade vierem (porque virão), você as enfrentará com os olhos sempre nos meus; sabendo que essa leve e momentânea tribulação não são para comparar com o que temos construído juntos, aqui e no porvir — e entenderá, finalmente, sobre alegria na tribulação.
Quando estiver idosa e vivida, você ainda dará frutos; e poderá dizer que desfrutou, verdadeiramente, da minha boa, perfeita e agradável vontade, e que foi capaz de fruir e usufruir muito do que já lhe tenho reservado nesta vida, e falará aos seus filhos e netos, sobre a minha paz. A paz incompreensível que encontrou no meu amor.

Fonte: www.amorese.com.br

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Teologia do EU

Como cristãos, precisamos cada vez mais nos preocupar com o Reino de Deus e o seu crescimento e não tanto conosco mesmos. Vivemos numa geração saturada de oferta religiosa e de experiências e “pseudo-experiências” espirituais sempre voltadas para o “eu”, esquecendo-se cada vez mais do “nós” comunidade – povo – família – corpo. Sem querer aqui fazer crítica pela crítica, e não condenando qualquer estilo de culto, louvor ou adoração em especial, basta olharmos para os nossos próprios cultos e vermos como estamos sendo levados para uma teologia cada vez mais do “eu” e deixando de lado o “nós”. Cada vez mais cantamos, oramos, falamos para Deus: “EU te quero; EU te busco; EU te preciso; EU isso, EU aquilo...”. Não quero diminuir a importância da vivência e da busca pessoal por um crescimento espiritual e relacional com Deus, mesmo porque, a Bíblia nos fala que nossa responsabilidade é pessoal diante do Pai, que cada um em particular prestará contas ao Senhor (Rm 14.12), que cada um pessoalmente comparecerá diante do trono do Juiz no último dia (2 Co 5.10), que a salvação é pessoal e intransferível, tanto quanto a condenação (Jr 31.30; At 2.38; Rm 10.9;). Reconheço o valor e a seriedade de tudo isso, aceito e ensino estas verdades também. Mas o que gostaria de expressar nesta pequena reflexão é que estamos correndo um grande risco se nossa vida resumir-se apenas nesta “Teologia do EU”.

A Bíblia, de maneira especial no Novo Testamento, nos exorta mais de cinquenta vezes ao “UNS AOS OUTROS”. São os conhecidos “Mandamentos Recíprocos”. E Deus nos tem chamado à, antes de nós mesmos, buscarmos à Ele e o seu Reino (Mt 6.33); e também de igual forma à, antes de nós mesmos, buscarmos o outro e o que é do outro (1 Co 10.24; Fp 2.3); e para não nos perdermos em nosso egoísmo, somos chamados a negarmos à nós mesmos (Mt 16.24; Mc 8.34; Lc 9.23), e seguir a vontade Daquele que disse: “ tome a sua cruz e siga-me”, para o bem de nossa própria alma.

No Reino não há lugar para a “Teologia do EU”. Precisamos aprender a buscar e praticar incansavelmente a “Teologia do NÓS”, a verdadeira teologia do Reino, o “NÓS” que somente em Cristo pode existir e subsistir, para que somente n’Ele e por n’Ele, possamos ser um o “UM” que Deus planejou e quer realizar em nossas vidas e em nosso meio.

Enquanto cada um ficar olhando somente para si, exigindo e crendo que tem o direito de receber, como se o todo existisse apenas em função das necessidades desse um, o Reino será um campo de dedos em riste, uma arena de batalha onde pessoas são acusadas umas pelas outras por não corresponder às suas expectativas falhas e pecaminosas, um ringue onde o que prevalece é o meu direito, um contexto de pessoas mesquinhas voltadas para o seu próprio umbigo comportando-se como crianças birrentas: “Ah, se não for do jeito que eu quero então não brinco mais. Magoei!”

O Reino não é um campo de batalhas, mas sim, uma Seara, um terreno a trabalhar que necessita de trabalhadores que estejam dispostos a abrir mão de si mesmo em prol de um propósito maior e mais sublime: o anúncio e expansão deste Reino para o bem de todos e não de alguns em especial (Mt 9.38; Lc 10.2). A questão é que, devido a “Teologia do EU”, muito poucos estão dispostos a superar a si mesmos e ser instrumentos úteis para o bem do “nós” que verdadeiramente glorifica o Senhor da Seara. Por isso repito que, como cristãos, precisamos cada vez mais nos preocupar com o Reino de Deus e o seu crescimento e não tanto conosco mesmos, para não colocar em perigo o “eu” de cada um que o Senhor quer resgatar e abençoar por meio do seu Reino, a fim de transformar-nos no “UM” com Ele (Jo 17.11).

Pare de olhar somente para si, olhe para o Reino. Pare de exigir, disponha-se mais. Pare de cobrar dos outros, ofereça-se. Abaixe seu dedo em riste, estenda sua mão. Abandone o egoísmo e a mesquinhez do “EU”, experimente o propósito abençoador do “NÓS” escondido no riquíssimo solo deste Reino que precisa unicamente da tua disposição pois, o trabalho é grande e os trabalhadores abnegados ainda tem sido muito poucos.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

As costas ou o rosto?

O que você está oferecendo a Deus: as costas ou o rosto? O que você está oferecendo a Deus: o não ou o sim? O que você está oferecendo a Deus: o coração rebelde ou o coração contrito? O que você está oferecendo a Deus: a negação de qualquer culpa ou o pedido de perdão?

Você não pode virar as costas para Deus. É falta de educação. É rebeldia. É loucura. É suicídio. Talvez você esteja fazendo isto há muitos anos. Você precisa parar de virar as costas para Deus. Você precisa dar uma meia-volta. Você precisa virar o rosto, e não as costas, para Ele. Acorde para este fato.

Dar as costas, e não o rosto, para Deus é um hábito antigo do homem. É assim que fazem os céticos, os secularizados, os arrogantes, os empedernidos, os que caminham inexoravelmente para a ruína. A queixa é do próprio Deus: "Viraram-me as costas, e não o rosto" (Jr 2.27; 32.33).

Pare com isso! Comece a virar. Vire mais um pouco. Vire tudo, Ponha as costas onde estava o rosto e o rosto onde estavam as costas. Na linguagem bíblica, o nome desta virada é conversão. Você precisa desesperadamente desta conversão. É coisa simples. É só virar de lado. É só mudar de atitude. É só voltar-se para Deus. É só quebrar o gelo. É só romper com o hábito antigo de dar as costas, e não o rosto, para quem é maior do que você, para quem pode perdoar seus pecados e para quem quer abençoar sua vida.

Se você virar de lado e der o rosto para Deus, então a mudança será dupla: Deus vai ocupar o primeiro lugar em sua vida e o que tomava o lugar de Deus vai para o seu devido lugar. Será a recuperação da ordem original. Será a mais mística e mais bem-aventurada de todas as mudanças.

Do livro: Em letras grandes Vol. 2, de Elben L. Cesar, Ed. Ultimato

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

domingo, 13 de setembro de 2009

O Deus que derrama

Deus derrama água sobre a terra seca e sobre a alma sedenta (Is 44.4), Derrama luz sobre quem está em trevas (Sl 18.28). Derrama óleo fresco sobre quem se encontra exausto (Sl 23.5; 92.10). Derrama bênçãos sem medida sobre quem não sabe e não pode viver sem elas (Ml 3.10).

O Deus que derrama conhece suas necessidades básicas e despeja sobre você a sua misericórdia (Tt 3.6), a sua graça (Ef 1.8) e o seu amor (Rm 5.5). Nada é pingado, tudo é derramado profusamente. Ele quer resolver seus dramas, que romper os grilhões que o oprimem, quer mudar a direção da sua vida, quer dar-lhe a certeza do perdão, quer trocar sua insegurança por um sentimento muito mais confortável.

A palavra mais usada para designar a descida do Espírito Santo é o verbo derramar. "Derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade" (Is 44.3); "Derramarei o meu Espírito sobre a casa de Israel" (Ez 39-29); e "Derramarei o meu Espírito sobre toda a carne" (Jl 2.28). Aqui o verbo está no futuro, mas depois de cumprida a promessa, ele muda para o passado: "Admiraram-se porque também sobre os gentios foi derramado o dom do Espírito Santo" (At 10.45).

Até aqui você só tem boas notícias. Todavia é necessário que você fique bem informado de tudo. O mesmo Deus que derrama sua misericórdia, sua graça e seu amor é capaz de derramar também sua indignação, seu furor e sua cólera (Sl 69.24; 79.6; Jr 42.18). Este esvaziamento da ira de Deus só acontece quando você ou qualquer outra pessoa esbanjam totalmente a graça divina, vivendo deliberadamente em pecado,

O caso mais patético é o quadro apresentado no Apocalipse, quando se menciona o derramar das sete taças cheias da cólera de Deus sobre os que "não se arrependeram de suas obras" (Ap 16,1-21). Deus teria um caráter incompleto e imperfeito se derramasse sobre você só o seu furor ou só a sua misericórdia.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

sábado, 12 de setembro de 2009

Coisas que "não" acontecem em nossa Igreja

Motivações para ir à igreja

35 RAZÕES PARA NÃO PECAR

Jim Elliff
1.
Porque um pequeno pecado leva a mais pecados.
2. Porque o meu pecado evoca a disciplina de Deus.
3. Porque o tempo gasto no pecado é desperdiçado para sempre.
4. Porque o meu pecado nunca agrada a Deus; pelo contrário, sempre O entristece.
5. Porque o meu pecado coloca um fardo imenso sobre os meus líderes espirituais.
6. Porque, no devido tempo, o meu pecado produz tristeza em meu coração.
7. Porque estou fazendo o que não devo fazer.
8. Porque o meu pecado sempre me torna menor do que eu poderia ser.
9. Porque os outros, incluindo a minha família, sofrem consequências por causa do meu pecado.
10. Porque o meu pecado entristece os santos.
11. Porque o meu pecado causa regozijo nos inimigos de Deus.
12. Porque o meu pecado me engana, fazendo-me acreditar que ganhei, quando, na realidade, eu perdi.
13. Porque o pecado pode impedir que eu me qualifique para a liderança espiritual.
14. Porque os supostos benefícios de meu pecado nunca superam as consequências da desobediência.
15. Porque o arrepender-me do meu pecado é um processo doloroso, mas eu tenho de arrepender-me.
16. Porque o pecado é um prazer momentâneo em troca de uma perda eterna.
17. Porque o meu pecado pode influenciar outros a pecar.
18. Porque o meu pecado pode impedir que outros conheçam a Cristo.
19. Porque o pecado menospreza a cruz, sobre a qual Cristo morreu com o objetivo específico de remover o meu pecado.
20. Porque é impossível pecar e seguir o Espírito Santo, ao mesmo tempo.
21. Porque Deus escolheu não ouvir as orações daqueles que cedem ao pecado.
22. Porque o pecado rouba a minha reputação e destrói o meu testemunho.
23. Porque outros, mais sinceros do que eu, são prejudicados por causa do meu pecado.
24. Porque todos os habitantes do céu e do inferno testemunharão sobre a tolice deste pecado.
25. Porque a culpa e o pecado podem afligir minha mente e causar danos ao meu corpo.
26. Porque o pecado misturado com a adoração torna insípidas as coisas de Deus.
27. Porque o sofrer por causa do pecado não tem alegria nem recompensa, ao passo que sofrer por causa da justiça tem ambas as coisas.
28. Porque o meu pecado constitui adultério com o mundo.
29. Porque, embora perdoado, eu contemplarei novamente o pecado no Tribunal do Juízo, onde a perda e o ganho das recompensas eternas serão aplicados.
30. Porque eu nunca sei por antecipação quão severa poderá ser a disciplina para o meu pecado.
31. Porque o meu pecado pode indicar que ainda estou na condição de uma pessoa perdida.
32. Porque pecar significa não amar a Cristo.
33. Porque minha indisposição em rejeitar este pecado lhe dá autoridade sobre mim, mais do que estou disposto a acreditar.
34. Porque o pecado glorifica a Deus somente quando Ele o julga e o transforma em uma coisa útil; nunca porque o pecado é digno em si mesmo.
35. Porque eu prometi a Deus que Ele seria o Senhor de minha vida.

Renuncie seus direitos
Rejeite o pecado
Renove sua mente
Confie em Deus


Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

JETV e Filhos do Homem no Aldeia!

Aee povo! Deus nos abençoou muito com esse Aldeia, certamente! E pra guardar na lembrança, taí a fotinho que o Lucas e o Augusto correram tanto pra conseguir: a galera da JETV com o Filhos do Homem!

Os 4 do FdH aí junto com a gente são Pr. Cris, Fabiano (teclado), Riba (batera) e Jadão (baixo). Não sei onde tava o guitarrista nessa hora... hehehe. Valeu gente! E que venha o Aldeia 2010!

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

VOCÊ TEM O DIREITO...

...de ser AUTÊNTICO, ser quem você é, falar o que pensa, expor suas opiniões e desejos sem ter que ficar mudando de opinião para agradar alguém. Você tem o direito de que em nome da autenticidade, diga as “verdades” que o outro, que não é perfeito como você, possa sabê-las e praticá-las. Mas o outro tem o direito de ser respeitado como é; de não ter que mudar somente para agradar o seu gosto perfeito.

...de ser CRÍTICO e fazer uma lista apontando com o dedo tudo aquilo que, no outro, não é conforme a sua vontade perfeita, afim de corrigi-lo para o “bem” e o bom andamento da vida conforme o seu crivo crítico e tino apurados que sempre apontam para a exatidão. Mas o outro também tem o direito de não se encaixar em sua visão crítica perfeita. O outro tem o direito de não viver fadado sob um “deus” humano detentor de toda a verdade.

...de JULGAR,sem ao menos querer ter o conhecimento sobre a verdadeira verdade dos fatos e do contexto, das intenções do coração, da alma e da mente. Você tem direito de atropelar o outro julgando-o novamente sobre o seu crivo crítico e autêntico, por não estar encaixado no seu padrão de perfeição. Mas você também tem o direito de ser julgado conforme a mesma medida e severidade com que tem julgado o outro. Se perfeição é o seu padrão, é por ele que você também terá o direito de ser julgado.

...de CONDENAR. Além de julgar, você também tem o direito de condenar o outro, de dar o veredicto e a sentença final afirmando a causa do porque o outro age, pensa ou é, sem ao menos ter o poder de sondar corações e mentes. Da mesma forma você também tem o direito de ser condenado sem que possa se defender com a sua verdade, porque direito é direito, e já que você tanto o usa, que lhe seja dado o direito de ser condenado como condenas.

MAS VOCÊ TAMBÉM TEM O DIREITO DE...

...se ARREPENDER. Reconhecer que somente Deus é perfeito, justo é bom. E que por mais que você lute pela verdade e perfeição das coisas, você não é Deus e nunca vai conhecer as verdadeiras motivações do coração do ser humano.

...de pedir PERDÃO. Além de reconhecer que você não é perfeito, deve também reconhecer que o seu padrão de perfeição sobrecarrega e fere os ombros e o coração dos outros, e para curar isto basta que você se humilhe e peça o perdão de quem você desta forma tem tratado. Mas saiba que você não tem o direito de ser perdoado, e se o for, isto será expressão de pura misericórdia, graça e amor.

Deus tem o direito de não nos perdoar, mas escolheu assim fazê-lo por meio do sangue inocente do Seu Filho na cruz, e isto não é um direito nosso, mas sim, uma necessidade nossa.

Devemos descer de nossos pedestais de superioridade e perfeição e nos colocarmos onde realmente devemos estar, no pó da humilhação e do arrependimento, para recebermos a misericórdia necessária e não virmos a receber aquilo que é verdadeiramente o único direito que temos como seres humanos pecadores afastados de Deus: CASTIGO E CONDENAÇÃO ETERNA.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

terça-feira, 8 de setembro de 2009

AMAR - segundo C. S. Lewis

Amar é sempre ser vulnerável. Ame qualquer coisa e certamente seu coração vai doer e talvez se partir. Se quiser ter a certeza de mantê-lo intacto, você não deve entregá-lo á ninguém, nem mesmo a um animal. Envolva o cuidadosamente em seus hobbies e pequenos luxos, evite qualquer envolvimento, guarde o na segurança do esquife de seu egoísmo. Mas nesse esquife – seguro, sem movimento, sem ar - ele vai mudar. Ele não vai se partir – vai tornar se indestrutível, impenetrável, irredimível. A alternativa a uma tragédia ou pelo menos ao risco de uma tragédia é a condenação. O único lugar além do céu onde se pode estar perfeitamente a salvo de todos os riscos e perturbações do amor é o inferno.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Cuide bem da sua fé

A fé é um bem extraordinário. É a primeira e a mais importante ligadura entre você e Deus. Pois "quem vai a Deus precisa crer que Ele existe e que recompensa os que o procuram" (Hb 11.6). Por meio da fé você dá conta de suas obrigações morais para com Deus e o impossível torna-se possível. Assim como um cano transporta água do reservatório à torneira e o fio transporta a energia eétrica do gerador à lâmpada, assim também a fé transporta o que é de Deus para você. Somente pela fé você é capaz de crucificar o seu eu, dizer não à sua carne, obedecer a Deus, contemplar à distância o galardão, ver o invisível, tirar força da fraqueza e passar vitoriosamente pela prova de escárnios e açoites (Hb 11.4-40).

Cuide muito bem da sua fé em Deus. Faça-a engordar, faça-a crecer, faça-a constante. Alimente-a com a leitura da Palavra: "A fé vem pela pregação e a pregação pela Palavra de Cristo" (Rm 10.17). Exercite-a cada dia. Faça aquela curiosa e humilde oração do pai do jovem possesso: "Eu creio, ajuda-me na minha falta de fé" (Mc 9.24).

A fé o fará olhar firmemente para Jesus (Hb 12.2) e desviará a sua atenção da força dos ventos contrários. Qualquer esforço para guardar a fé é altamente compensador. Não se esqueça da oração de Isaías: "Tu, Senhor, conservarás em perfeita paz aquele aquele cujuo propósito é firme, porque ele confia em ti" (Is 26.3). Nada neste mundo vale mais do que a pefeita paz interior.

Trate bem de sua fé agora, pois quando vier o que é perfeito, a fé se tornará desnecessária. Agora você não vê a Deus face a face, mas na eternidade e na nova terra, a visibilidade será total (1 Co 13.10-12). Então você poderá guardar a sua fé numa caixinha de jóias apenas como lembrança histórica e como troféu de muitas vitórias. Até que chegue este glorioso final, use plenamente a fé.

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Rádio JETV - Better Than Life (Mais do que a Vida)

Tava demorando mas tá de volta o blog com a nossa rádio bombando! Dessa vez a escolhida foi Hillsong - Better Than Life. A novidade é que logo logo nós vamos tá tocando essa daí no louvor, hein!, por isso não foi colocada uma tradução da letra, mas sim a "versão brasileira", Herbert Richards! Não vou falar do que é o Ministério Hillsong porque muitos já sabem e a gente toca muitas músicas deles traduzidas já. Essa é do CD Hope (2003). Não dá pra ficar parado no chão com essa música que fala tanto do amor de Deus por nós, que é mais, bem mais que qualquer outro e maior que coisa que possamos ter. Confiram, e bora todo mundo aprender a cantar já!

video

Hillgong - Better Than Life
Better than the riches of this world
Better than the sound of my friend's voices
Better than the biggest dreams of my heart
And that's just the start

Better than getting what I say I need
Better than living the life that I want to
Better than the love anyone could give
Your love is

You hold me now
In your arms and never let me go

You, oh Lord, make the sun shine
And the moon light in the night sky
You give me breath and all your love
I give my heart to you, because

I can't stop falling in love with you
I'll never stop falling in love with you

Versão - Mais que a Vida
Mais do que riquezas que eu tiver
Mais do que a voz de um grande amigo
Mais que todo sonho que eu sonhar
É mais, bem mais

Mais do que pense que vá precisar
Mais do que ter o que quero na vida
Mais do que o amor que alguém possa me dar
É o teu amor

Seguro estou
E eu sei que não me deixarás

Lá no céu tu puseste
Sol e lua pra iluminar
Me deste todo amor e assim
Te dou meu coração, porque

Não canso de te amar, Senhor
Não vou deixar de te amar, Senhor!

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Quem Fará?

Um dia na igreja eu me sentei num banco e ouvi o pastor dizer: "Nós precisamos de alguém para dar algumas aulas. Quem assumirá essa tarefa?" Eu senti Deus ao meu lado, sussurrando: "Filho, essa é para você".
"Mas, Senhor, falar para tanta gente é uma coisa que não sei fazer! O Srº Carlos seria o homem ideal para chamar. Não há o que ele não saiba fazer. Eu prefiro ficar aqui no banco assistindo às suas aulas".
Noutro dia, ouvindo o coral, eu sentado no banco, escutei o maestro dizer: "Nós precisamos de alguém para voz principal nos cânticos. Quem quer assumir essa tarefa?" Novamente eu ouvi a voz de Deus sussurrando: "Filho, essa é com você".
"Mas, Senhor, cantar diante de uma multidão é uma coisa que eu não posso fazer! Mas, há o Jonas, que poderá fazer isso. É melhor eu ficar ouvindo as músicas aqui, sentado no banco".
Ainda noutra vez, eu sentado no banco, ouvi o pastor dizer: Eu preciso de alguém para atuar na acolhida na entrada da Igreja. Quem aceita essa tarefa? Mais uma vez ouvi a voz de Deus sussurrando: "Filho! É algo que você pode fazer".
"Senhor, ficar falando com estranhos é coisa que não consigo fazer! Mas, há o Mário, Senhor: ele pode dar boas vindas às pessoas. Não é retraído como eu e fará isso muito bem. Eu preferiria que alguém viesse me cumprimentar aqui no banco".
Os anos se passaram e eu nunca mais ouvi aquela voz. Até que uma noite eu fechei os olhos e acordei numa praia do céu. Éramos quatro lá, encontrando a eternidade: Carlos, Jonas, Mário e eu. Deus nos disse: "Eu preciso só de três de vocês para fazer um trabalho para mim". "Senhor, eu farei o trabalho" — eu clamei — "Não há nada que eu não faria".
Mas, Deus me respondeu: "Obrigado, meu filho. Mas, sinto muito - No céu não há bancos."

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Rádio JETV - There is a Day

Boa! Semana começando, e apareceu aqui no blog sugestão de além-mar! A Ana nos mandou essa música e disse que cantaram lá na igreja dela na Inglaterra. O nome é There is a Day, da banda Phatfish. A letra fala sobre a aguardada volta do Senhor. A vida cristã não é um mar de rosas e nós passamos por coisas difíceis e problemas que tentam nos fazer desistir, mas que só aumentam a nossa esperança na glória futura que há de vir.

video
Phatfish - There is a Day

(Nathan Fellingham)
There is a day
That all creation's waiting for
A day of freedom
And liberation for the earth
And on that day
The Lord will come to meet his Bride
And when we see Him
In a instant we'll be changed
The trumpet sounds
And the dead will then be raised
By His power
Never to perish again
Once only flesh
Now clothed with immortality
Dead has now been
Swallowed up in victory
We will meet Him in the air
And than we will be like him
For we will see Him as He is
oh yeah!
Then all hurt and pain will cease
And we'll be with him forever
And in his glory we'll live
Oh yeah! Oh yeah!
So lift your eyes
To the thing as yet unseen
That will remain now
For all eternity
Though trouble's hard
It's only momentary
And it's achieving
Our future glory
Tradução - Chegará o Dia

Chegará o dia
Que toda a criação está esperando
Um dia de liberdade
E libertação para o mundo
E, nesse dia
O Senhor virá para encontrar Sua noiva
E quando virmos Ele
Em um instante seremos transformados

A trombeta soará
E os mortos então se levantarão
Pelo Seu poder
Nunca mais perecerão
Uma vez foram carne
Mas agora vestidos com imortalidade estão
A morte foi agora
Derrotada na vitória

Vamos encontrá-lo no ar
E então seremos como Ele
Por que O veremos como Ele é
Oh yeah!
Então a dor e as feridas não mais existiram
E nós estaremos com Ele para sempre
E em Sua glória, vamos viver
Oh yeah! Oh yeah!

Então, levante os seus olhos
Para as coisas que ainda não foram vistas
Que permanecerão agora
Para toda a eternidade
Embora os problemas agora sejam difíceis
Eles são apenas momentâneos
E a nossa plena realização
Está no futuro, está na glória

"Assim, permanecem estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor." -1Co 13.13

Fiquem na Paz! ;)

Juliano