quinta-feira, 1 de outubro de 2009

EU GOSTARIA QUE VOCÊ ME AMASSE - Um e-mail à Igreja do Século XXI

Eu gostaria que você me amasse — mas você diz que já me ama...
Eu gostaria que você quisesse ficar, mas você tem tantos compromissos inadiáveis. Parece que está sempre saindo.
Eu gostaria que você fosse mais carinhosa quando estamos juntos, mas você prefere ser litúrgica — diz que é para não ser mal interpretada pelos outros.
Eu gostaria que tivesse prazer em nossas conversas, e não ficasse olhando o relógio, quando estamos juntos. Você sempre tem compromissos apertados com nossos encontros; tem que sair apressada; acorda tarde e almoça cedo, só no domingo.
Eu gostaria que a expectativa de nosso encontro especial do domingo gerasse tanta excitação que você fosse dormir mais cedo no sábado, só pensando em nosso encontro — e que as festas, bailes, filmes, tudo empalidecesse com a doce espera da nossa reunião.
Eu gostaria que você quisesse me levar junto, em suas viagens, em seus negócios, ao cinema, às rodinhas de amigos, ou que me convidasse para assistirmos juntos ao filme da madrugada, mas você diz que é coisa só sua, que minha presença seria inconveniente...
Eu gostaria que você gostasse dos meus filhos (afinal, agora são nossos filhos).
Eu gostaria que você sonhasse comigo, e, nos seus sonhos, eu estivesse olhando para você amorosamente.
Eu gostaria que você amasse as coisas, as conversas, os cheiros, as sensações que eu amo — todas simples, singelas, bonitas —, para que toda vez que você estivesse numa situação dessas, se lembrasse de mim, mas você prefere sensações mais fortes, picantes, sensuais...
Eu gostaria que você tivesse saudade de mim, dos meus lugares, dos meus altares, das minhas coisas, da minha gente — em especial no domingo — saudade essa que a levasse a ansiar por me ver.
Se você não pode me amar carinhosamente, porque "é feito só de razão", então, quem sabe, você me amasse só com a razão, sendo fiel nas pequenas coisas, que me tivesse presente nos caminhos, nas decisões, nas escolhas, nas palavras, nas reações.
Ah, como eu gostaria de sentir segurança no seu amor — eu sinto como se você fosse mudar a qualquer momento, e pedir um tempo para pensar...
Eu gostaria de poder sonhar com o futuro, tendo você nele, sem sobressaltos nem dúvidas, nem sombras.
Por exemplo:
Eu gostaria que você se indignasse por mim, ao presenciar algo que abomino; ao ver a injustiça, a mentira, a opressão, a pobreza, a vida desregrada, o alcoolismo, as drogas — uma indignação como a minha, que encarna, que parte para fazer algo a respeito, como a mulher que ungiu os pés do meu Filho, na frente de todos, com a coragem que vence reinos;
Eu gostaria que você se indignasse, quando alguém fala mal de mim — e saísse em minha defesa, usando do bom-senso que lhe dei, para não atirar pérolas a porcos;
Eu gostaria que você não achasse graça de piadas indecentes (que sempre banalizam as coisas boas e santas que criei, como o sexo, o casamento, a fidelidade...), não gostasse de falar palavrões, que não gostasse de filmes pornográficos, que não olhasse lascivamente para incrédulos, que não fizesse aliança com eles, não flertasse com o inimigo, que não invejasse sua vilolência e suas taras;
Quando você faz essas coisas, sinto enorme insegurança no seu amor; parece que você mantém um pé fora da nossa relação, e eu choro de ciúmes;
Eu gostaria que você amasse aqueles que amo e odiasse meus inimigos — que tivesse misericórdia das crianças (hoje em dia, quase todas órfãs), do estrangeiro (ou visitante), das viúvas (ou separadas) piedosas, das ovelhas avulsas, perdidas e sem pastor, e resistisse, em meu nome, aos cínicos, presunçosos e soberbos;
Eu gostaria de poder lhe falar do meu amor, sem que você olhasse para o relógio ou fosse "obrigada" a ir beber água lá fora;
Eu gostaria que você desligasse o celular quando eu estou lhe falando do meu amor ou fazendo planos com você;
Eu gostaria que você procurasse nos bolsos e encontrasse os presentes que lhe tenho dado — meus dons para você — e que os usasse com orgulho e carinho, como se fossem colares e pingentes de valor sentimental;
Eu gostaria que você me servisse sem precisar de cargos ou funções oficiais — simplesmente usasse, com singeleza, os presentes que pus nos bolsos de sua vida. Eu gostaria que você me servisse sem esperar outra recompensa senão meu olhar de aprovação.

***
Esses são os sonhos que tenho sonhado para nós. São sonhos porque não posso transformá-los em realidade por meio de imperativos ou mandamentos.Nem mesmo eu posso obrigá-la a querer. Tenho que esperar. O máximo que posso fazer é sair por aí, à sua procura, na esperança que você, um dia, queira ter um eterno caso de amor comigo.
Você ainda é tão menina! Não despertou, inteiramente, para o amor. Não tem olhos para mim. Ainda não pode entender nem corresponder ao meu amor. Só sabe me chamar de pai, pedir e agradecer coisas — a maioria das quais eu já lhe dei mais de uma vez, e estão empilhadas no seu quarto de brinquedos.
Fico triste em perceber que a insegurança do seu amor por mim transforma-se em insegurança sua, a respeito do meu amor; não sabendo amar, você não se deixa amar inteiramente por mim.
Mas eu tenho esperado por você. E quando estiver crescida, talvez venha a ter olhos para mim; e, então, quem sabe, queira e possa corresponder a essa forma louca, integral, passional, desmedida, com que você é amada.
Quando isto acontecer, você passará a ver a vida com olhos de uma adolescente apaixonada: sem temores, sem medos, sem inseguranças ou desânimos (porque o amor lança fora o medo). Ao contrário, você terá a energia da alegria, a força e o desassombro da certeza; e os sonhos da esperança — os sonhos dos meus sonhos. Você será indestrutível, e prevalecerá contra as portas do próprio inferno.
E quando a dor e a adversidade vierem (porque virão), você as enfrentará com os olhos sempre nos meus; sabendo que essa leve e momentânea tribulação não são para comparar com o que temos construído juntos, aqui e no porvir — e entenderá, finalmente, sobre alegria na tribulação.
Quando estiver idosa e vivida, você ainda dará frutos; e poderá dizer que desfrutou, verdadeiramente, da minha boa, perfeita e agradável vontade, e que foi capaz de fruir e usufruir muito do que já lhe tenho reservado nesta vida, e falará aos seus filhos e netos, sobre a minha paz. A paz incompreensível que encontrou no meu amor.

Fonte: www.amorese.com.br

Que Papai abençoe a todos
Missionário Adilson

2 comentários:

Juliano disse...

caraaaca...

Carlos disse...

Muito bom o texto...

Deus Abençõe a todos!